quarta-feira, 20 de janeiro de 2016

Tupanciretã



Está localizada a 389 km, da capital do RS, Porto Alegre, aproximadamente, tem alguns atalhos por estradas de chão, que encurtam o caminho, mas eu não recomendo, em uma de nossas viagens resolvemos seguir por um desses "atalhos" economizamos 20 km mas gastamos muito mais tempo, pois a estrada não estava muito boa.

Sua altitude é de 400 metros e sua população é de 22,286 habitantes.

É margeada pelos municípios de: Cruz Alta, Santiago, Júlio De Castilhos, Jóia, Jari, Quevedos, São Miguel Das Missões e Capão Do Cipó.

Seus primeiros habitantes foram os índios Charruas e Minuanos. Logo após pelos jesuítas, da congregação São José Batista, os quais criaram várias fazendas, para criação de gado.


O monumento das Origens Históricas localizado no início da Avenida Serafim Bravo, entrada da cidade de Tupanciretã, é uma alusão a história de Tupanciretã.

Seu nome na linguagem indígena significa: Terra da mãe de Deus.

Foi emancipada no dia 21 de dezembro de 1928, está com 87 anos. Decreto esse assinado pelo presidente Getúlio Vargas.

Seu fundador foi: Antônio José Da Silveira

A cidade é conhecida como a capital da soja, do RS.


Uma das principais fontes de trabalho da cidade era o frigorífico, que hoje encontra-se desativado.

A cidade possui belas praças e também uma área de preservação ambiental próximo ao centro, mas infelizmente não tivemos a oportunidade de ir até o local.




No cemitério municipal, estão enterrados diversos maragatos mortos em batalha, o túmulo está pintado de vermelho, como os lenços que utilizavam na revolução de 1924.

Como toda boa cidade do interior, existem diversas lendas, como a casa da múmia. Dizem os contos populares, que havia uma mulher com grandes riquezas e solicitou que quando morresse, deveria ser mumificada, com todas suas joias e deixada sentada em sua casa.



Também temos a capela da noiva. Segundo os ditos populares, essa noiva foi deixada no altar.
Quando é noite de lua cheia, se dermos 7 voltas em torno da figueira, que fica na frente da capela, a meia-noite a noiva aparecerá e você acordará em cima de um túmulo no cemitério.

É uma cidade pequena e acolhedora. Seus habitantes são muito hospitaleiros e gentis, porém não existem muitos lugares para visitação, contudo vale a pena conhecê-la.
Dizem que as festas de carnaval na cidade são muito boas, se ainda não sabe para onde ir no feriadão de carnaval, fica a dica!

2 comentários:

  1. Vale muito a pena conhecer essa querida cidade.

    ResponderExcluir
  2. Concordo plenamente nosso próximo passeio será em Tupancireta.

    ResponderExcluir